Cientistas exigem um estudo sério sobre OVNIs

A revista Scientific American publicou um trabalho intitulado ‘Fenômenos aéreos não identificados’ e garante que eles merecem um estudo sério.

A participação de um importante cientista em um congresso de ufologia antecipou mudanças na maneira como os acadêmicos abordariam uma questão tão espinhosa como a dos OVNIs. De fato, há um ano o físico teórico Michio Kaku, um dos grandes divulgadores da teoria das cordas e da ciência em geral, declarou sem paliativos que agora eram os militares que deveriam provar que não fomos visitados por extraterrestres.

Ele disse isso em sua palestra no Congresso Mundial de Ufologia (The Ufology World Congress), realizado em setembro de 2019 em Barcelona, na Espanha.  Kaku disse que se convenceu que algo existe após ver os vídeos da Marinha dos Estados Unidos.

Isso explica porque agora, dois pesquisadores Ravi Kopparapu do Goddard Space Flight Center da NASA e Jacob Haqq Misra, um astrobiólogo no Blue Marble Institute Espaço da Ciência, disseram à prestigiada revista Scientific American que há um maior envolvimento da comunidade científica na busca de respostas ao UAP (Fenômenos Aéreos Não Identificados), forma como o Pentágono chama os OVNIs. A mudança de nome não é trivial. O governo dos Estados Unidos acredita que a sigla UFO (Objetos Voadores Não Identificados) remete ao paranormal ou pseudociência, o que tem distanciado a comunidade científica do assunto.

Por que astrônomos, meteorologistas ou cientistas planetários deveriam se preocupar com esses eventos? Não deveríamos permitir que analistas de imagem ou especialistas em observação de radar cuidem do problema? Kopparapu e Haqq se perguntam em um artigo intitulado: ‘Fenômenos Aéreos Não Identificados’, que esse fenômeno merece uma investigação científica. E respondem a si próprios: “Porque somos cientistas. A curiosidade é a razão de nos tornarmos cientistas. “

O trabalho parte do mesmo ponto de partida de Kaku, ou seja: os vídeos da Marinha dos Estados Unidos. Esses objetos, dizem eles, “precisam de uma explicação coerente que conecte todos os fatos. E é aqui que a pesquisa científica interdisciplinar é necessária. “

A proposta de estudar cientificamente o fenômeno da UAP não é nova. A Força Aérea promoveu o famoso projeto Blue Book, também o projeto Condon que culminou em uma audiência no Congresso em 1968, bem como um debate patrocinado pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) em 1969, onde acadêmicos como Carl participaram. Sagan, Joseph Allen Hynek, James McDonald e Robert Hall.

Por isso se perguntam novamente: “qual deve ser o foco? Se uma explicação científica for desejada, uma abordagem interdisciplinar é necessária para abordar as características observacionais combinadas do UAP, em vez de isolar um aspecto do evento. Além disso, os fenômenos UAP não são eventos específicos dos EUA. Na verdade, eles são globais em escopo, então, de acordo com os autores, nós, como cientistas, devemos investigar e parar a especulação em torno deles.”

O trabalho também propõe uma determinada metodologia, como coleta de dados ou como lidar com a transitoriedade das UAPs. Na verdade, explosões de raios gama (GRBs), supernovas e ondas gravitacionais são igualmente imprevisíveis e, no entanto, são de grande interesse para os cientistas. Em suma, é uma ode à Carl Sagan que, no contexto de um debate científico, disse em 1969: “Os cientistas são particularmente obrigados a ter mentes abertas; esta é a alma da ciência. “

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

UFOS E AS MISSÕES ESPACIAIS

Desde o início da corrida espacial nossos astronautas têm sido monitorados por UFOs. Qual a verdadeira história por trás disso? No dia 20 de julho

Leia mais »

UFOS DURANTE CONFLITOS MILITARES

Durante quase todos os conflitos militares do planeta, desde os tempos mais remotos até os mais recentes, estranhos objetos têm sido observados no cenário dos entraves.

Leia mais »