O Boneco Michelin

Em uma noite amena de agosto de 2010, Lisa abriu as janelas de sua modesta casa de três quartos para deixar o ar entrar. Ela notou que os grilos e sapos que geralmente faziam seus sussurros perto de sua hora de dormir estavam quietos. Enquanto se preparava para dormir, olhou pela janela do banheiro adjacente e ouviu o farfalhar das árvores atrás da casa, a apenas alguns metros de uma pequena floresta. Do lado de fora, outras pequenas casas agrupadas ao redor deles na escuridão, algumas com as luzes ainda acesas em seus modestos quartos familiares, outras não. Enquanto seu marido assistia à televisão no andar de baixo, Lisa escovou os dentes e lavou o rosto, alheia ao estranho silêncio que continuava lá fora. Nesta área tranquila e pastoral da Pensilvânia, não era incomum as pessoas irem para a cama cedo, especialmente durante a semana à noite.

Situadas perto de uma grande fazenda de 120 acres, as casas eram algumas das mais antigas na vizinhança e eram cobiçadas por ser uma “cidade-dormitório” tranquila de fácil acesso à área de Filadélfia. Este condado específico costumava ser remoto e isolado, pontilhado por fazendas por quilômetros. Ainda estava relativamente isolado, o que tornava as noites muito calmas, exceto pelos sons de animais selvagens como cervos, raposas, sapos e grilos, que podiam ser ouvidos quando as janelas estavam abertas no verão.

Lisa não se lembra mais da hora exata, mas em algum lugar na calada da noite, enquanto seu marido agora roncava a apenas alguns centímetros dela, ela despertou e sentiu uma presença no pequeno quarto. Sentiu-se obrigada a sentar-se e colocar os óculos na mesinha de cabeceira, mas descobriu que não conseguia sentar-se e foi, mais uma vez, tomada por uma forte vontade de dormir.

Quando Lisa acordou novamente, se viu deitada suspensa acima da cama, sendo segurada por um “homem” vestindo uma roupa inteiriça. A poucos centímetros de seu rosto estava um ser usando um capacete de “vidro” transparente como um astronauta. Ela sentiu que o ser era um homem. Ele a segurou em um abraço protetor, vestindo o que ela só poderia descrever como uma roupa “acolchoada” que lembrava o ícone da empresa de pneus Michelin. Com medo de cair, ela instintivamente estendeu a mão para segurar os braços do ser, que estavam vestidos de forma semelhante, e sentiu um material plástico macio e flexível na forma de um padrão de colcha.

Ao descer suavemente para a cama, sentiu em sua cabeça uma comunicação do ser de que era hora de voltar para sua cama quando sua “visita” terminasse. Ela “leu” em seus pensamentos que ele não a deixaria cair. O que permaneceu com ela até hoje é a sensação de paz e benevolência do ser, e o conhecimento inconfundível de que este ser a conhecia desde o início dos tempos. Seu tempo. Ela também “sabia” que não era sua primeira “visita” com o ser, mas uma final. Assim que suas costas tocaram a superfície da cama, Lisa viu o ser recuar para o teto, enquanto subia pela madeira sólida. Lisa sentiu uma grande sensação de abandono, tristeza e isolamento. Então, como se quisesse ficar em paz, ela caiu em um sono profundo e tranquilo.

Entre avistamentos e encontros de humanóides, o ser descrito raramente é relatado como evidenciado por uma revisão de relatórios anteriores. Em novembro de 1926, no subúrbio de Bolton, Lancashire, na Inglaterra, uma criança chamada Henry Thomas planejava se encontrar com seus amigos após o jantar contra a vontade de seus pais. Ele vagou por um beco enquanto tentava localizar seus amigos e, em vez disso, encontrou três seres vestidos como o homem da Michelin. Henry relatou que os seres eram de estatura normal, pele clara dentro de suas cabeças protegidas por capacete e olhos escuros. Ele mais adiante relatou um som gorgolejante vindo de um deles e isso foi o suficiente para aterrorizar a criança que então correu para casa. Apesar de seu encontro bizarro, ele relatou, como Lisa, que eles eram benevolentes.

Outro relato do mesmo site relata um encontro na Espanha. Um homem chamado Miguel Ceballos Timermans, de Cádiz, encontrou um homem da Michelin enquanto ele dirigia sua motocicleta em uma estrada secundária. Desta vez, o humanóide estava vestindo uma roupa vermelha, “inflado”, como o famoso símbolo da Michelin. Ele estava parado ao lado da estrada quando Miguel se aproximou e viu outro ser logo atrás. O outro parecia menor em estatura, mas vestido da mesma maneira.

Um terceiro relato vem da região de Haute Vienne, na França, envolvendo um “homem flutuante” vestido como a mascote. Este teria um “balão” como cabeça. O ser estava novamente parado na beira de uma estrada rural, e tinha um rosto “liso como uma boneca”. A testemunha viu ele desaparecer num piscar de olhos apenas para ser avistado novamente várias horas depois na mesma vizinhança, mas desta vez desapareceu com um “grande salto”.

O último encontro registrado que pude encontrar na literatura online vem de Lon Strickler de “Phantoms and Monsters”, um pesquisador e investigador altamente respeitado que mora na Pensilvânia. Esse encontro também foi relatado no podcast ‘Mysterious Universe’, da Austrália.

A Ilha da Reunião está localizada no Oceano Índico, na costa de Madagascar, no continente africano. É um território francês há muito tempo. A testemunha, um agricultor de 31 anos casado chamado M. Luce Fontaine, estava fora de sua casa colhendo grama para seus coelhos. De repente, um objeto semelhante a uma “cabana” materializou-se a vários metros dele e pairou sobre o solo. De acordo com M. Luce, a cabine tinha um para-brisa que lembrava um veículo Peugeot; a forma do objeto em si era oblonga com extremidades azul-escuras.

Dentro da cabine havia dois seres, um dos quais estava vestido da cabeça aos pés com um traje de homem da Michelin. O outro ser estava vestido de forma semelhante e de costas para a testemunha. Ambos os seres usavam os capacetes descritos em encontros anteriores. Num piscar de olhos, como no relato anterior, o objeto e os seres desapareceram. Nenhum vestígio no chão foi encontrado.

A Ilha da Reunião parece estar repleta de avistamentos desse tipo de ser. Não muito longe de uma área chamada “Piton Martyrdom” em 14 de fevereiro de 1975, um homem de 21 anos ouviu “bipes” repetidos por dias. Finalmente, ele viu uma “xícara” virada sobre um “pires”. Três seres saíram deste objeto vestidos com roupas “acolchoadas”. Ao anoitecer, ele novamente avistou três luzes brancas na cidade de Sainte-Marie, desta vez com outras testemunhas. Ele relatou que o veículo fez um som de assobio enquanto voava para longe.

Ainda em fevereiro de 1977, no aeroporto Gillot, um fotógrafo estava revelando um filme feito na época e em uma de suas fotos viu um objeto acima do avião que ele fotografava enquanto este subia do aeroporto. Um avistamento com comprovação aconteceu em 7 de setembro de 1978 na cidade de Saint Paul. Cem pessoas no teatro de Saint Gilles e seu diretor viram uma luz azul brilhante com um centro verde acima do teatro se movendo em direção ao Oceano Índico.

Na área de Piton de Furnace, um vulcão ativo na ilha, policiais e moradores viram “luzes” entrando e saindo da boca do vulcão logo após uma erupção. O GEIPAN (Groupe d’Études et d’Informations sur les Phénomènes Aérospatiaux Non-identifiés), investigou o caso. Segundo o relatório do grupo, um jovem, avistou um objeto no céu. Ele não viu, entretanto, nenhum ocupante, nem descreveu o objeto para os investigadores. A literatura ufológica contém abundantes relatos de seres cinzas pequenos e altos, seres reptilianos e insetóides, bem como avistamentos do tipo asiático e nórdico. Entidades como o “Boneco Michelin” são mais raros e parecem mais prevalentes na Ilha da Reunião.

Por que? E qual a sua motivação de estar lá? Ao contrário de outros encontros, esse tipo de ser parece benigno e em dois casos foi relatado como “benevolente”.

Um traço comum entre os relatos é a ideia de que eles parecem estar observando atividades humanas comuns ou mesmo mundanas. Nenhum deixa qualquer evidência física ou alteração da paisagem ou mudança no ambiente.

Um interagiu com a testemunha e fez contato físico de natureza não invasiva. Qual é o seu objetivo e como é diferente do cinza mais invasivo ou do reptiliano malévolo? De qual parte ou partes da galáxia eles se originam e são eles que transportaram objetos para dentro e para fora do vulcão ativo da Ilha da Reunião? Mais importante ainda, há algo em comum nessas áreas do mundo que as torna mais desejáveis ​​para a visita desses seres? Estas são questões para investigação e estudo adicionais.

No Brasil

Apesar da Ilha Reunião parecer ser o local preferido desse tipo de ser, há no Brasil um caso clássico do “Boneco Michelin”, também conhecido como “O Caso Itabirito”.

No dia 30 de agosto de 1932, às 23h, três homens saíram do cinema local e permaneceram conversando na esquina das ruas Artur Bernardes e Queiroz. Em dado momento da conversa ouviram um chiado. Ao olhar para o céu observaram um disco-voador imóvel, flutuando sobre uma plantação de eucaliptos, a uns 30 metros de altura a aproximadamente 50 metros do local onde estavam.

Enquanto observavam o objeto, uma das testemunhas, Geraldo Liberato, chamou a atenção dos companheiros para a presença de um homenzinho que vinha andando na direção do grupo. Segundo outra testemunha, Luis Gonzaga do Carmo, o pequeno ser era semelhante à um boneco da fábrica de pneus Michelin. Seu tronco era roliço, tinha cabeça pequena e braços curtos, que não acompanhavam o movimento gingado do caminhar. Geraldo, por sua vez, descreveu o pequeno ser como tendo 1,20m a 1,30m de altura, cabeça e pernas grandes em relação ao tronco curto, porém volumoso, vestindo carapaça de couro. Braços pequenos e passos rápidos.

Após caminhar uns 10 metros a criatura desapareceu misteriosamente sob as vistas das três testemunhas. Apavorados dois deles correram gritando. Apenas Luis Gonzaga permaneceu no local fumando calmamente. Após aproximadamente dois minutos, a claridade do objeto aumentou de intensidade a ponto de iluminar todo o bairro. Luis então tentou chamar seus amigos, mas surpreso constatou que não conseguia falar pois estava paralisado. Por quase um minuto ficou nesse estado, que só desapareceu após a luz do objeto diminuir de intensidade. Ele, então, levou a mão à boca para fumar o cigarro que tinha ficado em sua mão, mas notou que ele tinha desaparecido. Após o incidente, Luis sofreu de dores de cabeça durante por quase 30 dias. Durante esse período, nenhum remédio conseguiu aliviar a sua dor.

A Ilha da Reunião foi formada a partir da erupção vulcânica de um vulcão pouco conhecido chamado Piton des Neiges, há cerca de 3 milhões de anos. A ilha ainda tem um vulcão ativo até hoje, chamado Piton de Furnace, onde um OVNI já foi visto entrando e saindo de sua “boca” após uma erupção.

Quão diferente é Reunião do resto do planeta? Um paraíso onde os humanos realmente prosperam em harmonia. Um paraíso onde a vida selvagem permanece abundante, sem controle e o ar ainda puro desde o início dos tempos. Talvez seja por isso que ETs de natureza benevolente visitaram esta ilha. É uma anomalia em um planeta violento, intolerante e à beira da destruição.

Para saber mais:

https://loja.ufo.com.br/produto/guia-da-tipologia-extraterrestre-terceira-edicao/1392

https://www.amazon.com/dp/1791526020

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

UFOS E AS MISSÕES ESPACIAIS

Desde o início da corrida espacial nossos astronautas têm sido monitorados por UFOs. Qual a verdadeira história por trás disso? No dia 20 de julho

Leia mais »

UFOS DURANTE CONFLITOS MILITARES

Durante quase todos os conflitos militares do planeta, desde os tempos mais remotos até os mais recentes, estranhos objetos têm sido observados no cenário dos entraves.

Leia mais »