No fértil campo da ufologia tem-se de tudo

O campo da pesquisa ufológica abrange uma vasta quantidade de assuntos relacionados ao fenômeno como a abdução alienígena, homens de preto, cropcircles (agroglifos), UFOs/OVNIs, USOs/OSNIs, teorias dos antigos astronautas e etc. Mas tem um que ao meu ver traz um prejuízo enorme à pesquisa ufológica: a incorporação (nem se se é assim que se chama) de alienígenas, isto é, pessoas que dizem canalizar, “baixar”, receber espíritos ou seres extraterrestres em sessão “espíritas”.

Na semana passada participei, no chat, como curioso, de uma “live” onde um cidadão “receberia” um ser chamado Athom (que é a cara do Ashtar Sheran) oriundo da constelação de Plêiades chamado.

O link da transmissão no Youtube deu problemas umas três vezes até que a pessoa, e suas ajudantes, uma terapeuta quântica e outra revolucionária quântica (em algumas transmissões ainda tem a “mamãe cósmica”) decidiram fazer pelo Facebook. Quando perguntei se era problema na internet de Plêiades, uma das seguidoras no chat me disse que o problema era a nossa Internet, pois a deles era ótima. Estou torcendo para que essa tecnologia chegue logo aqui na Terra.

Eu e alguns colegas fizemos várias perguntas ao Athom, desde de qual planeta ele veio da Constelação de Plêiades (engraçado que “eles” nunca dizem o seu planeta de origem”), como era as cidades de lá, se eles tinham oceanos, se tinham filhos e etc. Obviamente que ele estava mais preocupado em responder sobre “o amor dos humanos ou a preocupação deles conosco ou a vibração molecular interplanetária cósmica”. Era um “juntado” de besteira de alguém que fala qualquer coisa para responder alguma coisa. Eu cheguei a sentir (ou não) vergonha alheia da terapeuta quântica e da revolucionária quântica que só sabiam dizer “sim”, quando ele perguntava se elas estavam entendendo.

Por quase duas horas me torturei, e torturei o Athom com minhas perguntas (não respondidas).

A minha linha de pesquisa ufológica é científica. Sou um dos ufólogos mais céticos que conheço. Não aceito qualquer coisa só porque “parece” ser ou porque alguém diz que é assim. Todo o ufólogo deve ser cético e ao mesmo tempo ter uma mente aberta. É uma tarefa difícil e um exercício diário.

Ver a ufologia ser povoada por esse tipo de pessoas, que tramitam na tênue linha da prática de algum crime (estelionato por exemplo) é preocupante, pois atinge em cheio o que ufólogos sérios buscam a todo custo: credibilidade!

Quem vê algo assim, uma pessoa dizendo que está incorporando uma entidade alienígena, não quer saber se o resto da ufologia é séria ou não. Ela já tacha tudo o que envolve a ufologia como “farsa, enganação, palhaçada e etc”.

Temos vários “Athoms” na ufologia, temos Sheilianas (e sua voz robótica), temos Ashtares, felinos, arcturianos e tantos outros. A ufologia séria deve prevalecer.

Minha pesquisa ufológica é científica. Sou um dos ufólogos mais céticos que conheço, mas ao mesmo tempo é necessário ter a mente aberta. A questão não é querer acreditar e sim ter evidências para acreditar. Eu já tive a minha evidência. Agora eu busco a resposta para ela. E não acho que serão seres incorporados por médiuns humanos que me darão essa resposta.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

UFOS E AS MISSÕES ESPACIAIS

Desde o início da corrida espacial nossos astronautas têm sido monitorados por UFOs. Qual a verdadeira história por trás disso? No dia 20 de julho

Leia mais »

UFOS DURANTE CONFLITOS MILITARES

Durante quase todos os conflitos militares do planeta, desde os tempos mais remotos até os mais recentes, estranhos objetos têm sido observados no cenário dos entraves.

Leia mais »