Por Robbie Graham

Mais do que qualquer outro cineasta, Steven Spielberg moldou nossas percepções de visitantes de outro mundo. Seus filmes estão repletos de imagens icônicas gravadas na mente de milhões: a ascensão milagrosa de uma nave-mãe na Devils Tower; um menino e seu amigo alienígena eternizados em frente à lua, Guerra dos Mundos (2005) e Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008), que arrecadaram mais de US $ 1,4 bilhão (mais de 5 bilhões de reais).

 

Spielberg conversando com os atores Richard Dreyfuss e Melinda Dillon.Embora ele tenha dirigido “apenas” quatro filmes com temática alienígena, o papel de Spielberg como produtor sempre o envolveu com o entretenimento do tipo extraterrestre. Ele participou de alguma forma na produção dos filmes Batteries Not included (1987), a franquia Men in Black, a épica minissérie de abdução alienígena Taken (2002); a franquia Transformers; a série de invasão alienígena Falling Skies (2011); o ‘Sci-fi-Western’ Cowboys and Aliens (2011); e Super 8 (2011).

O fato de Spielberg continuar a fazer filmes sobre a vida em outros planetas não se deve apenas ao bom senso para os negócios, mas em grande parte ao seu fascínio infantil por OVNIs; um fascínio que se intensificaria em seus vinte e tantos anos e culminaria em sua produção catártica de Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977) – um dos filmes mais pessoais do diretor.

Contatos Imediatos foi um milagre do filme. Ele transmitiu ao espectador uma mensagem de esperança universal, revelando aos cinéfilos que os alienígenas não eram necessariamente uma força a ser temida. De acordo com a visão de Spielberg, os alienígenas foram simplesmente mal compreendidos – não nossos destruidores maléficos, mas nossos amigos gloriosamente benéficos. Ele disse ao elenco durante as filmagens que o filme deveria ser “muito gentil, como um abraço”. Aqui, então, estava o trabalho de um idealista desavergonhado, o senso infantil de maravilha de seu diretor infundindo todos os seus quadros.

O enredo do filme, tal como é, segue o engenheiro elétrico Roy Neary (Richard Dreyfuss), um “homem comum” “spielbergiano” com sede de aventura, que está preso em um casamento triste com crianças malcriadas em um subúrbio da classe média norte-americana. A vida de Roy vira de cabeça para baixo uma noite depois que um encontro com um OVNI, que o convence de que não estamos sozinhos no universo. Esta experiência leva Roy a embarcar em uma busca obsessiva e isolada pela verdade por trás do fenômeno ufológico e, finalmente, o leva à Devils Tower (a icônica montanha retratada no filme) em Wyoming, onde ele encontra seres extraterrestres angelicais e felizmente se despede de nosso planeta monótono.

Close Encounters (Contatos Imediatos de 3º Grau) é notável por ser o primeiro filme a apresentar o arquetípico alienígena ‘Grey’. Embora tons de cinza sejam identificáveis ​​em filmes e produtos de TV que datam da década de 1950, o filme marcou a primeira aparição totalmente cristalizada dos Greys na tela com seus corpos magros, estatura pequena, cabeças e olhos grandes e rostos sem traços característicos. Os céticos costumam usar esse fato para sugerir que foi o icônico filme de Spielberg, que levou testemunhas a alegar encontros pessoais com os diminutos cinzas. No entanto, o homem que projetou os alienígenas para Contatos Imediatos – o famoso designer de produção Joe Alves – põe por terra a teoria dos céticos. Quando foi entrevistado por Robbie Graham, Alves disse que baseou seus desenhos alienígenas em descrições que recebeu diretamente de testemunhas. “Eu tinha chamado muitas pessoas ao tentar projetar os alienígenas para ver se as pessoas realmente tinham visto alguma coisa”, disse Alves, “e conversei com muitas pessoas que me descreveram criaturas muito simplistas com olhos grandes e bocas pequenas, sem nariz.

 

 

Com base no que ouviu durante sua pesquisa, Alves começou a desenhar seus seres alienígenas. “As descrições que ouvi eram dessas coisas de olhos grandes com bocas pequenas e sem nariz, dedos longos, esse tipo de coisa. Então fiz alguns esboços e também alguns modelos de argila”. Spielberg ficou satisfeito com os designs de Alves: “Steven disse:‘ Gosto desses seres infantis simples. Isso é o que eu quero.” Foi logo depois que Spielberg tomou a decisão de fazer com crianças usassem fantasias de alienígenas a fim de imbuir às criaturas do outro mundo com um senso de inocência e graça.

O filme de Spielberg é rico em detalhes ufológicos além da aparência de seus alienígenas. As manobras de OVNIs silenciosas, mas espetaculares, interferindo em redes elétricas e motores de automóveis, o sigilo do governo e desinformação em torno do assunto, e até abdução alienígena (quase uma década antes de tais histórias começarem a permear a literatura OVNI).

O filme alcançou sua extraordinária verossimilhança do fenômeno ufológico graças em grande parte aos conselhos do lendário investigador UFO, professor J. Allen Hynek. Foi o sistema de classificação de Hynek para avistamentos de OVNIs que deu ao filme de Spielberg seu título incomum (um ‘encontro imediato do terceiro tipo’ referindo-se a qualquer avistamento de um OVNI a 150 metros da testemunha durante a qual os ocupantes de OVNIs também são observados). Spielberg inclusive o chamou para ser seu conselheiro oficial de OVNIs no filme.

O filme também tem uma dívida com a pesquisa pioneira do Dr. Jacques Vallée – um dos mais admirados por Hynek. De fato, um dos personagens principais do filme, o francês Claude Lacombe (François Truffaut), foi inspirado pelo próprio Vallée. Spielberg consultou brevemente Vallée durante a produção do filme e o ufólogo tentou convencer o diretor a favor de uma explicação mais exótica para o fenômeno OVNI. “O filme de Spielberg deve explorar a hipótese interdimensional”, Vallée insistiu. “Quando conheci Steven Spielberg, argumentei com ele que o assunto seria ainda mais interessante se não fossem mostrados os extraterrestres”, disse Vallée, “que fosse real, físico, mas não um extraterrestre”. Spielberg não ficou convencido dizendo a Vallée: “Você provavelmente está certo, mas não é isso que o público está esperando – aqui é Hollywood e eu quero dar às pessoas algo próximo do que elas esperam”.

 

Por anos, Close Encounters tem sido objeto de fervorosa especulação na comunidade dos conspiradores ufológicos, com até mesmo alguns dos pesquisadores mais sensatos inclinados a acreditar que isso era parte de uma campanha oficial de aclimatação de OVNIs. Essa especulação pode ser rastreada até a produção do próprio filme.

Em 23 de julho de 1976, após um dia difícil de filmagem, cerca de quarenta membros do elenco e da equipe de Close Encounters (incluindo as estrelas Richard Dreyfuss e Melinda Dillon) se reuniram à noite no quente clima da cidadezinha de Mobile, Alabama, para ouvir uma palestra sobre OVNIs proferida por Hynek (que tinha sido chamado para uma breve participação nas cenas finais do filme). Foi logo após essa palestra que o co-astro do filme, Bob Balaban (que interpreta o personagem do tradutor David Laughlin) falou sobre um rumor intrigante que circulou durante a produção – “um rumor”, disse o ator, “de que o filme é parte do treinamento necessário que a raça humana deve passar para aceitar um pouso real, e está sendo secretamente patrocinado por uma agência OVNI do governo”. Graham perguntou ao desenhista de produção do Close Encounters, Joe Alves, se ele tinha ouvido tais rumores durante as filmagens e se havia alguma substância neles. “Havia muitos rumores”, ele respondeu ambiguamente, antes de mudar de assunto.

Em 1977, após o término da produção, Spielberg disse à revista Sight and Sound que o que o inspirou a fazer um filme que tratava seriamente da questão dos OVNIs. “Percebi que quase uma em cada cinco pessoas com quem conversei havia olhado para o céu em algum momento de suas vidas e visto algo que não era fácil de explicar”, disse o diretor, “e então comecei a conhecer pessoas que tiveram contato próximos, encontros, onde inegavelmente algo fenomenal estava acontecendo bem diante de seus olhos. Foi esse contato direto – as entrevistas – que me interessou em fazer o filme ”.

O interesse de Spielberg em OVNIs estendeu-se até a crença em um encobrimento oficial: “Eu não colocaria isso além deste governo que um Watergate cósmico está em andamento nos últimos 25 anos”, observou ele durante uma entrevista promocional da Close Encounters em 1977, “eventualmente, eles podem querer nos contar algo sobre o que descobriram ao longo das décadas”.

Durante a mesma entrevista, Spielberg falou com prazer de “rumores” de que o Presidente Carter faria “algumas revelações perturbadoras” sobre OVNIs no final daquele ano. Desnecessário dizer que nenhuma dessas divulgações ocorreu.

Mas Spielberg deu uma dica? O Close Encounters foi realmente parte de um programa de doutrinação patrocinado pelo governo? Um esforço para educar o público sobre a realidade de uma presença extraterrestre? Podemos nunca saber com certeza, embora os comentários feitos mais recentemente por outro profissional de Hollywood sejam uma leitura intrigante no contexto de rumores conspiratórios em torno do filme seminal de Spielberg.

Em fevereiro de 2011 – trinta e quatro anos após o lançamento de Close Encounters, Robbie Graham falou com Andrew Thomas, um escritor, diretor e produtor que trabalhou no épico filme de Spielberg em 1976 como chefe de ‘marketing especial’. Dezoito meses antes do filme, com a estreia programada, a pedido do estúdio do filme, a Columbia Pictures, Thomas trabalhou com um grande planetário para criar um show deslumbrante de 20 minutos para o público americano. Ele o descreveu para mim da seguinte maneira:

“Você se senta e um OVNI dispara pela cúpula do planetário e então o público é ensinado em como descobrir se era um meteoro, um cometa ou realmente um extraterrestre. Conseguimos transportar dezenas de milhares de crianças de todo o país com o pretexto de ver um show educacional de planetário, mas o que eles realmente receberam foi uma mensagem sofisticada para explicar a eles que os extraterrestres e OVNIs são reais e o que os encontros do primeiro, segundo e terceiro grau realmente significavam”.

 

À primeira vista, esse depoimento deu peso aos rumores de doutrinação, mas o próprio Thomas tem uma visão diferente sobre o motivo pelo qual a Columbia Pictures adotou uma estratégia de marketing tão incomum e enganosa: “Eles estavam preocupados que o título ‘Contatos Imediatos de Terceiro Grau´ soou “suspeitamente como um filme pornográfico, porque ninguém tinha qualquer referência ao que aquele vocabulário significava”. Thomas diz que seu trabalho era simplesmente introduzir a terminologia do ‘encontro próximo’ no vernáculo, “para que quando o filme fosse aberto todos saberiam o que estava sendo discutido, e não haveria qualquer dúvida.”

Logo após o lançamento do filme, surgiram novos rumores e teorias. É curioso, por exemplo, que na Biblioteca e Museu Presidencial Jimmy Carter não contenha nenhum registro do presidente amante do cinema que alguma vez assistiu a Contatos Imediatos enquanto estava no cargo. No entanto, em uma entrevista para a TV canadense de 1977, conduzida logo após o lançamento do filme nos cinemas, Spielberg disse com naturalidade que Carter havia assistido ao filme. “Não ouvimos o feedback direto”, comentou Spielberg, mas acrescentou, “Ouvimos dizer que ele [Carter] gostou bastante”.

Em março seguinte, The Phoenix Gazette citou o filme Close Encounters como “o filme favorito de Jimmy Carter”, observando que “O presidente viu o filme muitas vezes”.

Esta não é a única discrepância em relação ao registro oficial referente a Carter e Spielberg. Oficialmente, Spielberg nunca esteve na Casa Branca no governo de Carter. Entretanto, uma foto descoberta na Biblioteca prova que os dois homens realmente se conheceram. A foto mostra Carter e Spielberg em uma conversa amigável e está assinada: “Para Steven Spielberg, [de] Jimmy Carter”. Uma nota assinada pela Secretária Social da Casa Branca Gretchen Poston e dirigida a Spielberg diz: “O presidente achou que você gostaria de receber a fotografia anexa”.

Este aparente sigilo quase certamente resultou de um desejo da comunidade de inteligência militar – e até mesmo entre a equipe de Carter – de impedir que a administração fosse mais publicamente associada aos discos voadores. Carter teve seu próprio avistamento de OVNIs em 1969 em Leary, Geórgia, testemunhando um objeto redondo e branco brilhante que se aproximou de onde estava, parar e então se distanciar. Carter estava com outras doze pessoas na época, todas testemunhando o estranho fenômeno. Desnecessário dizer que um presidente testemunha de um OVNI, assistindo ao filme ufológico definitivo na Casa Branca; e tendo encontros com seu diretor obcecado por alienígenas, teria sido um pesadelo de relações públicas.

De longe, a mais bizarra das teorias de conspiração em torno dos Contatos Imediatos está relacionada ao ‘Projeto Serpo’ – um suposto programa de intercâmbio humano / alienígena entre militares dos EUA e uma raça de extraterrestres do sistema estelar Zeta Reticuli.

A história conta que, em julho de 1965, doze astronautas foram levados ao planeta Serpo a bordo de uma nave alienígena e lá permaneceram por anos. Em troca, os alienígenas deixaram um deles sob custódia do governo dos Estados Unidos. Esta história só foi conhecida em 2005 na forma de uma série de e-mails anônimos que foram enviados para ufólogos selecionados, incluindo Bill Ryan do Projeto Camelot / Avalon, que criou um site dedicado aos “vazamentos”.

A história de Serpo levou alguns teóricos da conspiração a especular que Contatos Imediatos foi parcialmente inspirado pelo suposto programa de intercâmbio alienígena / humano de 1965, o que significaria que o próprio Spielberg estava a par de informações internas sobre a questão dos OVNIs. Nas cenas finais do filme, um alienígena mais alto (este não projetado por Alves, mas pelo especialista em efeitos Carlo Rambaldi) sai da nave-mãe e se comunica com o personagem Claude Lacombe por meio de uma série de gestos com as mãos. Logo depois, vemos doze cientistas vestidos com macacões se preparando para embarcar na nave-mãe e partir definitivamente do planeta Terra. Roy Neary se junta ao grupo como seu décimo terceiro membro.

Novamente, é importante notar que a história de Serpo, que não tem um uma mínima evidência confiável para apoiá-la, só surgiu em 2005, ou seja, vinte e oito anos após o lançamento de Contatos Imediatos. A suposição lógica, então, seria que o primeiro foi inspirado no último, e não vice-versa.

Quer haja ou não um pingo de verdade em qualquer uma das teorias da conspiração em torno de Contatos Imediatos, o filme de Spielberg continua extremamente significativo pelo fato de ter desempenhado um papel central no renascimento econômico de Hollywood no final dos anos 1970, forçando executivos de estúdios a reconhecerem que grande parte do público jovem já não era atraído pelas produções cinematográficas. É notável que dois outros filmes com temática alienígena do período também desempenharam um papel fundamental nessa mudança de paradigma industrial: Star Wars (1977) e Superman (1978). Juntos, esses três filmes sobre as maravilhas do universo agiram como adrenalina, injetadas direto para o coração de uma indústria em extinção. O filme de Spielberg também reacendeu a curiosidade pública sobre o fenômeno ufológico como um enigma duradouro, e seu lançamento coincidiu com o trigésimo aniversário do acidente em Roswell. Apenas um ano depois, Jesse Marcel revelaria suas experiências de primeira mão daquele evento, abrindo as comportas para centenas de testemunhos de Roswell mais próximos. O resto, como dizem, é história.

A nave-mão sobre a Devils Tower.

 

Levou quase trinta anos, mas os alienígenas de Hollywood finalmente fizeram a transição de invasores para salvadores. Surpreendentemente, essa transição foi afetada quase que sozinho por um diretor prodígio com uma visão. Com Vietnã e Watergate ainda frescos na mente, Close Encounters veio como um abraço reconfortante para a América no final de uma década de desilusão e, pelos próximos anos, pelo menos, o filme de Spielberg redefiniria a relação de trabalho de Hollywood com alienígenas. A década de 1980 seria uma época de parentesco extraterrestre e esplendor em Hollywood, quando os OVNIs voltariam às telas de cinema em massa, desta vez, em paz.

Original: “Close Encounters of the Mythic Kind – The Fact, Fantasy, and Speculation behind Cinema’s Greatest UFO Movie”, por Robbie Graham para a revista UFO TRUTH.